FullSizeRender

Partilhe esta candidatura nas redes sociais

Nome completo:
Joana Maria Mendes Alves

Data de nascimento:
3/30/1976

Naturalidade:
Porto

Nacionalidade:
Portuguesa

Apresentação pessoal

Sou das terras verdes do Alto-Minho. Licenciada em Direito, pela Universidade de Coimbra, e Mestre em Direitos Humanos, pelo European Inter-university Centre for Human Rights and Democratisation. Advogada desde 2000. Durante uns anos suspendi o exercício da advocacia tendo nessa altura exercido funções de assessoria jurídica na Comissão dos Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias da Assembleia da República, e na Organização de Luta Anti-fraude da Comissão Europeia. Ainda na área do Direito, dediquei-me a projetos de voluntariado, quer em Portugal, quer no estrangeiro, tendo passado pela Hungria, onde colaborei com a MDAC (Mental Disability Advocacy Center), e mais recentemente por Timor-Leste, onde fiz parte da equipa da Organização das Nações Unidas que prestou ajuda técnica às Eleições Legislativas e Presidenciais de 2012 Timorenses. Gosto muito de viajar, conhecer o mundo e novas culturas, mas não sou, e neste momento não sou de todo, uma cidadã do mundo, sou portuguesa, e é em Portugal que quero estar e viver. Daí ter decidido avançar com esta candidatura.

Apresentação da candidatura
Vivemos num país bonito, com um clima prazeroso, sem conflitos militares, mas onde, infelizmente pairam outras ameaças e problemas reais que afetam os portugueses no seu todo e cada um de nós individualmente. O nosso país está cada vez mais vazio, esvaziam-no quando mandam os nossos jovens procurar trabalho lá fora, quando não há lugar para os mais competentes cá dentro, quando fazem do trabalho precário uma regra, quando entregam as empresas públicas à “privataria”, quando desertificam as zonas do interior de estabelecimentos de saúde, de escolas e tribunais, quando nas zonas urbanas deixam de apostar na qualidade desses serviços essenciais, quando abandonam os mais indefesos à sua sorte. A pobreza, a violência doméstica, a precariedade, o desemprego e a emigração aumentaram. O investimento na Educação e na Saúde diminuiu. A Justiça nunca foi uma prioridade. É obrigação de cada um de nós fazer algo pelo todo. Tal como muitos, desinteressei-me pela política, perdi a fé nos nossos representantes, entreguei-me aos meus interesses pessoais, procurando algum bem-estar para mim e para os meus na selva em que vivemos. A verdade é que se agirmos individualmente, os direitos e as garantias que se perderam nos últimos anos não mais serão recuperados, nem a qualidade de vida dos cidadãos em geral melhorará. É essencial que as pessoas se unam e procurem soluções – em moldes distintos dos que até aqui têm sido aplicados – para um Portugal diferente e melhor. Acredito que a candidatura Cidadã LIVRE/TEMPO DE AVANÇAR dá esse espaço às pessoas e pode contribuir para a mudança do País onde, tal como muitos de nós, não quero deixar de viver.

Áreas de intervenção preferenciais
Justiça

Como pensa interagir com os eleitores?
Além do uso das redes sociais e da Internet como meio mais atual e rápido de chegar às pessoas, entendo essencial recuperar o debate presencial, organizando tertúlias, fóruns, reuniões, discussões sobre temas que afetam as pessoas diretamente e sobre os quais se possam, com a colaboração de todos os intervenientes, retirar conclusões e chegar a soluções mais adequadas para resolver problemas concretos. Por outro lado, considero importante dar ao mecanismo do Direito de Petição dirigido à Assembleia da República mais credibilidade, tornando-o mais eficaz.

Círculos pelos quais concorre:
Círculo de Viana do Castelo

No Facebook:
No Twitter:
Site pessoal ou blog:

Proponentes de Joana Alves