fotoMSANTOS

Partilhe esta candidatura nas redes sociais

Nome completo:
Mariana Alexandra do Couto Teixeira Santos

Data de nascimento:
2/4/1983

Naturalidade:
Serzedo

Nacionalidade:
Portuguesa

Apresentação pessoal

Apresento-me assim, enquanto mulher livre, jornalista, contadora de histórias e apaixonada por viagens e relatos de estranhos. Mestre em História, Relações Internacionais e Cooperação pela Universidade do Porto e licenciada em Jornalismo e Ciências da Comunicação pela mesma instituição, nasci no Porto, vivo no Porto e onde a vida me levar. Há dias, sim, em que sinto medo, mas na maioria deles faço por evitá-lo a todo o custo. Faço por forçar a coragem. É este ímpeto que me leva a erguer a minha voz ao vosso lado, na expetativa de todos sermos, um dia destes quem sabe, um pouco mais livres. É consciente da responsabilidade que assumo ao colocar-me ao dispor do bem comum que me associo, na qualidade de independente, aos princípios defendidos pelo LIVRE/TEMPO DE AVANÇAR, enquanto signatária dos valores de esquerda e de um projeto nacional e europeu que defenda a liberdade e a coesão social como valores cimeiros.

Apresentação da candidatura
Pura profilaxia. É assim que me apresento na qualidade de candidata às Primárias do LIVRE/TEMPO DE AVANÇAR. É fazer-me à luta numa altura em que a descrença no rumo do país é praticamente uma inevitabilidade. Gosto de acreditar que há muitas outras pessoas que pensam o mesmo. Que procuram outros modelos, outras vozes e sabem que a inevitabilidade só é uma resposta para quem não faz perguntas. A inevitabilidade trouxe-nos um país em que o Estado se demitiu das suas funções, em que a economia estagnou, em que o desemprego se alastrou. Os verbos estão no passado, mas estes problemas, todos eles e tantos outros que daí decorrem, mantêm-se acoplados ao presente e limitam todas as hipóteses de futuro. Não acredito em fórmulas ou tratados proféticos, mas sei que não faz sentido viver assim. Entregue a um Estado amorfo e a uma lógica do “salve-se quem puder”. A tal tríade salvadora já se foi, mas os arautos do “vamos fazer mais e pior” mantêm-se no trono de um qualquer país imaginário que só para eles assenta numa lógica de sustentabilidade e justiça social. É por acreditar que o futuro só faz sentido numa sociedade orientada para o desenvolvimento social, para a prosperidade e assente no respeito da dignidade humana que defendo que o LIVRE/TEMPO DE AVANÇAR é uma resposta. Pode parecer assustador, mas o destino de Portugal e da Europa nunca dependeu tanto de cada um de nós como hoje. É em alturas de crise que se exige coragem reforçada. Coragem de mudar, de agir e olhar com olhos de ver para as propostas que temos perante nós. Por isso, estou ao lado do LIVRE/TEMPO DE AVANÇAR.

Áreas de intervenção preferenciais
Pretendo, em primeiro lugar, bater-me pela construção de um modelo de desenvolvimento económico sustentado, que abra portas à edificação de uma sociedade mais justa, na defesa do modelo social europeu, na luta pela garantia de acesso à saúde, à educação e ao trabalho. Uma sociedade que se faz para as pessoas e não para o capital. Há, obviamente, batalhas para as quais me sinto intelectualmente mais preparada e outras para as quais estou emocionalmente mais motivada. A luta pela regionalização, na prossecução de um modelo de desenvolvimento do país no âmbito do princípio de descentralização administrativa e da regionalização, tal como inscrito na Constituição. Uma lógica descentralizadora que promova a coesão social e valorize os instrumentos de planeamento e gestão territoriais. Uma lógica que vá ao encontro das pessoas, no pleno respeito pelas suas especificidades e liberdades. Um modelo que não estigmatize, mas que permita fortalecer o país e torná-lo mais consciente das suas diferenças e assimetrias. A luta por um Estado que se assuma como motor de promoção da literacia científica e da formação artística, cultural e ambiental. Neste sentido, o sistema educativo deve assumir-se como a plataforma privilegiada para a integração destas aprendizagens e para o fomento da cultura. Uma visão da cultura que permita formar cidadãos, não olhando a lógicas meramente comerciais, mas sim integrada numa educação para as artes, para a literacia e para um compreensão do mundo mais aberta e transversal. A luta por um ataque efetivo à corrupção, ao branqueamento de capitais e à complacência com a fuga de capital rumo aos paraísos fiscais ou para os estados-membros com regimes fiscais, no mínimo, pouco transparentes. E porque a corrupção opera-se, também, nas esferas partidárias, que este possa ser o momento para que se criem incompatibilidades sérias e para que o Parlamento se permita a fazer esse escrutínio na primeira pessoa, no pleno respeito pela democracia e pelas liberdades individuais. A questão europeia. Porque a Europa é o palco da ação política por excelência, a luta por uma participação efetiva na construção da União Europeia. Um processo que, na minha opinião e considerando o atual desequilíbrio de forças Norte/Sul, deve ter início na defesa dos pontos de vista nacionais, não numa perspetiva autista, mas sim inseridos numa lógica de colaboração e aproximação com estados-membros que vivam os mesmos problemas e partilhem soluções. Numa UE que, inegavelmente, se faz a várias velocidades, a luta por uma união mais efetiva começa por abrir portas ao diálogo e criar pontes de consenso, sejam elas a Sul, a Norte ou a Oeste. Sem preconceitos, mas conscientes daquilo que somos. Porque a Europa faz-se de cidadãos e não de mandatários alheios ao escrutínio da democracia representativa. A luta por um método decisor aberto à participação democrática e à validação dos europeus é a única forma de assegurar que os últimos 50 anos não foram em vão.

Como pensa interagir com os eleitores?
Sempre, e o mais que possível, através do contacto direto com os cidadãos, seja na rua como na organização de sessões de esclarecimento e fóruns de intervenção cívica. Através das redes sociais e das plataformas em linha, com indicação dos principais tópicos em discussão no Parlamento, assim como com atualizações permanentes do trabalho em mãos. Linha totalmente aberta, em permanência, para receber solicitações sugestões ou pedidos de esclarecimento dos cidadãos.

Círculos pelos quais concorre:
Círculo do Porto

No Facebook: http://www.facebook.com/mariana.santos.94
No Twitter: http://twitter.com/marianacoutoT
Site pessoal ou blog:

Proponentes de: Mariana Santos