Captura de ecrã 2015-05-13, às 14.30.23

Partilhe esta candidatura nas redes sociais


Nome completo:

Maria Isabel Augusta Cortes do Carmo

Data de nascimento:
9/12/1940

Naturalidade:
Barreiro

Nacionalidade:
Portuguesa

Apresentação pessoal

Aos 15 anos, iniciei a minha vida política, colaborando com o MUD Juvenil. Militei na candidatura de Arlindo Vicente aos 17 anos e entrei para o PCP aos 18. Fui responsável pela célula da Faculdade de Medicina na clandestinidade, pertencendo à direcção clandestina da Cidade Universitária. Fui membro da Comissão Pró-Associação de Medicina, da Reunião Inter-Culturais da Universidade de Lisboa e membro dos Corpos Gerentes da Ordem dos Médicos. Fui presa em consequência da posição da Ordem dos Médicos face à morte de Ribeiro Santos. Em 1969, fui membro da Direcção política das CDE’s de Lisboa, em 1969. Saí do PCP e estive na fundação das Brigadas Revolucionárias e das B.R./PRP. Fui membro dos Grupos de Unidade Democrática (GDUP’s) para a eleição de Otelo, em 1978. Estive presa 4 anos após Novembro 1975. Fui membro da Comissão Pró-Amnistia Otelo e companheiros e dos corpos gerentes da Associação Abril, na sequência da candidatura de Maria de Lurdes Pintassilgo. Fundadora e activista do Fórum Ecologista e Alternativo e activista das Feiras Alternativas. Fui presidente da Assembleia Geral da Livraria Ler Devagar e responsável pelos eventos durante vários anos. Sou co-autora dos livros “Puta de Prisão” e “Vozes insubmissas” e autora de “Histórias que as mulheres contam” e prefácio de “Mulheres de armas”. Recebi a Ordem da Liberdade.

Apresentação da candidatura
Sou do Barreiro e conheço bem o distrito de Setúbal. Estive no liceu de Setúbal do 1º ao 5º ano do liceu (5º ao 9º actuais). Conheço as características das várias áreas, que são muito diversas. Sei a história passada, particularmente do Barreiro, das suas lutas, das derrotas e das vitórias. A resistência dos militantes. A evolução da indústria e do Caminho de Ferro. A cultura operária, o passado associativo e a sua decadência. Fui médica no hospital do Barreiro (da Misericórdia) e das “Caixas” em Alhos Vedros. Tive consultório nos anos oitenta e noventa do século XX. Sem nunca ter abandonado a vida cívica, regresso ao combate político para representar os valores progressistas na Assembleia da República, para responder a um tempo de urgência nacional. Em especial, para dar voz aos graves problemas que se vivem no Serviço Nacional de Saúde e contribuir para propostas concretas para melhorar as prestações de serviços de saúde aos cidadãos, assim como lutar pelos direitos das mulheres e pela igualdade. Regresso à atividade política institucional pelo circulo eleitoral a que sempre estive intimamente ligada: Setúbal.

Áreas de intervenção preferenciais
Saúde Organização do Estado Feminismo

Como pensa interagir com os eleitores?
Inevitavelmente através da Internet. Mas sobretudo em pequenas tertúlias (como a Gandaia da Costa), eventualmente em sessões e na rua.

Círculos pelos quais concorre:
Círculo de Setúbal
Círculo de Lisboa

No Facebook:
No Twitter:
Site pessoal ou blog:

Proponentes de Isabel do Carmo