ana-malcata

Partilhe esta candidatura nas redes sociais

Nome completo:
Ana Maria Malcata Anapaz Patrício Álvares

Data de nascimento:
12/5/1958

Naturalidade:
Lisboa

Nacionalidade:
Portuguesa

Apresentação pessoal

.Apresentação pessoal Fui professora do ensino básico e secundário durante muitos anos o que me pôs em contacto com famílias de diversas gerações e estatutos/posições sociais. Apercebi-me que há uma espécie de fatalidade na desigualdade em Portugal – quem nasce no lado errado da vida nunca de lá consegue sair. Parece que tudo foi construído para que nunca de lá consiga sair. Como tal sempre me defini como de esquerda, sem dúvidas ou hesitações. Por querer mudar este estado de coisas filiei-me no BE. Pensei que o BE conseguiria o entendimento com o PS que o PCP nunca quereria, e assim se conseguiria uma maioria de esquerda que não só trouxesse o PS, para a esquerda, de facto, como também se obteria a maioria necessária para começar as reformas estruturais que garantissem oportunidades iguais para todos os cidadãos. Bom, enganei-me. Não me vou alongar aqui, todos conhecem esta história. …Passei a assinar petições, a ir a todas as manifestações,…Até que surgiu o LIVRE. E depois a candidatura cidadã LIVRE/TEMPO DE AVANÇAR. E eu confio nestas pessoas e tenho orgulho no que conseguiram e por isso me candidato.

Apresentação da candidatura
Apresento-me como uma mulher bem ciente do tempo desigual, ameaçador, persecutório, senão mesmo criminoso, que se depara hoje às mulheres. Esta é a primeira das minhas preocupações e, como tal, o primeiro dos meus desejos de lutar para mudar este estado de coisas, para garantir às mulheres plena igualdade em todos os campos. A segunda preocupação, que também engloba esta primeira, tem a ver com a desigualdade progressiva, que permeia todos os domínios, que a sociedade portuguesa foi revelando ao longo das décadas – quanto mais o 25 de Abril de 1974 se distanciava no tempo mais as desigualdades económicas, sociais, de oportunidade, de justiça se tornavam gritantemente presentes, ao ponto de se tornarem um insulto e um escárnio dos ideais em que em 1974 todos acreditámos. Acredito profundamente que não há níveis de mérito, para utilizar uma palavra muito estimada hoje em dia, nos seres humanos. Todos merecemos o melhor, sem mas ou porquê ou razão.

Áreas de intervenção preferenciais
As áreas de intervenção preferenciais, como se depreende do que escrevi antes, seriam todas as que se prendessem com a igualdade de género e, de um modo mais geral, todos os campos onde há desigualdade de oportunidades e tratamento – PMA para todas as mulheres, leis de adopção iguais para todas as parentalidades, para dar exemplos que foram recentemente recusados.

Como pensa interagir com os eleitores?
Não me passa sequer pela cabeça que uma candidata numa candidatura cidadã não ouvisse ou explicasse as razões das posições que toma aos cidadãos! Se bem que pense que os meios físicos para tal interacção devem ser combinados posteriormente entre todos ( não é?), penso também que devem ser possíveis encontros face a face regulares, porque nem todos temos acesso às novas formas de comunicação. No entanto, deverá sempre haver recurso a esses meios de comunicação para garantir, para quem for ágil com eles, essa proximidade e regularidade.

Círculos pelos quais concorre:
Círculo de Lisboa
Círculo de Aveiro
Círculo de fora da Europa

No Facebook:
No Twitter:
Site pessoal ou blog:

Proponentes de Ana Malcata