Partilhe este post

 artigos de Safaa Dib

Este é um tempo de profunda insatisfação marcado por linhas ideológicas bem vincadas de esquerda e direita. Como trincheiras, cada soldado atira granadas para o outro lado esperando causar o maior número de perdas. Uso uma terminologia de guerra porque, no fundo, é uma guerra fria e silenciosa a que vivemos diariamente. Não é marcada pelo uso de armas de destruição massiva, mas consegue infligir danos igualmente letais e distorcer a visão do que se tornou a nossa vida. Desde 2011, vivemos um cerco constante de austeridade que nos causa medo, instabilidade, depressão e a perda de esperança ao ver familiares e amigos forçados a abandonar o país em busca de um emprego estável que sabem que não conseguem obter em Portugal. O governo atual vendeu-nos a mentira de que vivemos durante anos acima das nossas possibilidades, e passo a passo os nossos direitos e vencimentos foram dilapidados, mas os nossos fardos económicos só têm vindo a piorar e agora temos de lidar com a consequência de nos terem submetido irresponsavelmente a uma servidão financeira.

Houve outras consequências igualmente danosas: nunca se viu tanto ódio e antipatia pela política como agora. A impunidade da classe governante e a sua gestão fracassada levou a que o país encolhesse os ombros e virasse as costas para a política. Precisamos de recuperar a vivência de uma liderança genuína, uma forte liderança que não só assume a responsabilidade e os desafios perante os cidadãos, mas também os envolve nas suas decisões. É tempo de recuperar o espírito da democracia e libertá-lo desta fraude a que se deu o nome de austeridade, por trás da qual se esconde uma ideologia que não defende os interesses dos seus cidadãos. E, assim, acreditar outra vez que a mudança é possível e que todos podemos lutar por ela, antes que se percam mais gerações em nome de uma política falhada.

por Safaa Dib
Coordenadora editorial na área do livro.
https://oirrevogavelblog.wordpress.com/
safaadib@gmail.com