Maria Salomé Cabrita De Sosua

Área programática: Política económica e coesão territorial
Imóveis inutilizados
Propomos que se crie um imposto — crescente com o tempo — sobre os imóveis não utilizados, como terrenos, edifícios e apartamentos. Esta medida tem por objectivo travar a proliferação do betão e estimular o reaproveitamento dos edifícios já existentes, como edifícios antigos. No caso dos terrenos, permitiria o uso de terrenos abandonados. Esta medida desbloquearia todo este capital parado e contribuiria para a economia, estimulando a venda de imóveis. Como pode dar-se o caso de simplesmente ser impossível vender o imóvel, poder-se-ia permitir ao dono emprestá-lo ou cedê-lo ao Estado, ficando a partir daí isento do imposto adicional. Deixaria porém de ter capacidade de decisão sobre o comprador ou arrendatário, mas receberia uma percentagem (significativa) do lucro obtido pelo Estado com o imóvel.

Área programática: Ambiente, agriÁrea programática: Cultura, florestas e mar
Criação de ligações de transporte público entre os principais centros urbanos e as praias
Todos os anos uma enchente de banhistas invade as praias, fazendo a sua deslocação de carro. Em consequência, o trajecto é moroso e as praias ganham um mar de estacionamento abusivo. Em trajectos como Lisboa – Costa da Caparica, o movimento é previsível e muito frequentado, e uma ligação directa de comboio ou de barco compensaria depressa o seu custo inicial. A redução do número de carros melhoraria muito o atractivo das praias, permitindo destinar as zonas de estacionamento a cafés, restaurantes, passeios e ciclovias.

Área programática: Cultura
Obrigatoriedade de passar cinema português
Do mesmo modo que a obrigatoriedade de passar uma quantidade mínima de música portuguesa na rádio propulsionou a nossa produção nacional musical, o mesmo se devia fazer para o cinema. Hoje em dia muito pouco ou nada passa de cinema português na televisão — e muito menos em horário nobre — o que tem um enorme impacto negativo na visibilidade e, por consequente, na produção de filmes portugueses. Uma lei que obrigasse canais de televisão e salas de cinema a passar uma quantidade mínima de produção nacional seria de grande benefício para a Área programática: Cultura portuguesa e também para economia que ficaria menos dependente da produção estrangeira.

Na nossa visão, a política deve ser um processo educativo da sociedade. Por isso qualquer medida que tenha um impacto na vida das pessoas deve ser complementada com uma campanha de esclarecimento. Qualquer medida que tente demover de um certo prática indesejada deve ser orquestrada com uma medida de reforço positivo na direcção do comportamento desejado. Tentámos nas nossas medidas reflectir esta filosofia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *