João Lopes

Área programática: Política económica e coesão territorial
A conjuntura legal existente no nosso país e a falta de literacia financeira da maioria tem possibilitado ao sistema financeiro tornar-se o supremo aspirador de recursos públicos com fins meio que obscuros.
A solução que proponho integra três fases: 1ª – Resolver o obstáculo legal à criação de cooperativas de crédito não-agrícola, de forma a poder criar um novo tipo de bancos, éticos e cooperativos, como já existe em vários países europeus, abrindo aos portugueses a possibilidade de guardarem as suas poupanças num banco com investimentos mais sustentáveis, transparentes e democráticos; 2ª – Separar a banca de investimento da banca comercial, assegurando a 100% os depósitos daqueles que apenas guardam o dinheiro daqueles que preferem fazê-lo render em investimentos com risco associado, sendo que desta forma os bancos de investimento cair sem consequências graves para a sociedade; 3ª – Impedir que os bancos privados continuem a criar dinheiro através dos empréstimos que podem fazer sem ter realmente esse dinheiro, através do sistema de reserva fracionária, e passar esse poder exclusivamente para um órgão público e democrático, como advoga o movimento “Positive Money”.

Área programática: Políticas redistributivas
Como implementar um Rendimento Básico Incondicional?
Fazer como o Partido Trabalhista do tempo de Lula da Silva fez no Brasil (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.835.htm) e criar enquadramento legal que preveja a implementação total de um Rendimento Básico Incondicional no futuro, funcionando como um princípio-guia, criando para esse efeito um Comité Técnico que formule as fases e prioridades nessa implementação gradual antes ou depois das Legislativas, a título de exemplo. Será também necessário encetar conversações com outros partidos europeus que defendem um RBI (que já são alguns) para criar uma Plataforma Europeia que funcione como um grupo de pressão para criar um RBI a nível europeu, pois a UE é crucial no sucesso deste plano.

Área programática: Política Externa, Europa e Defesa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *