Pedro Alves

Área programática: Ambiente, agriÁrea programática: Cultura, florestas e mar
Dependencia da produção agricula externa
Apoio a projectos de hortas urbanas, hortas comunitárias e cooperativas de produção agrícula através do aluguer/empréstimo a nenhum ou a baixo custo de terrenos abandonados (ou outras zonas verdes de cidades) para que as pessoas possam ter a possibilidade de cultivar a sua propria comida. Isto incluiria a reconversão de espaços verdes abandonados, ou espaços de lazer com area que permita a atribuição de uma parte a hortas comunitárias. A atribuição de terrenos que se prestem a uso agricula a cooperativas de consumo que tenham por grande objetivo abastecer os mercados locais e nacionais. Estas cooperativas deverão ser 100% portuguesas e constituidas por pequenos e medios produtores, desempregados, e pessoas em condição financeira precária que demonstrem certas condições necessárias ao bom uso dos terrenos sujeitos a empréstimo.

Área programática: Política económica e coesão territorial
Protecção do pequeno comerciante/empresário
Mais impostos para quem mais fatura. Mais benefícios às pequenas empresas. Criação de mecanismos que impeçam a fuga do capital em off-shores e outros esquemas similares. Uma medida interessante: acabar com o imposto aos rendimentos, ao invés disso apenas os bens e serviços devem ser taxados. Bens de primeira necessidade (comida, água e afins): imposto baixo; Bens de uso corrente mas não essenciais (shampoo, cremes de cosmética, brinquedos, etc): imposto médio; Este gradiente vai aumentando até ao nível de itens de luxo que devem pagar um elevado imposto. Jamais o imposto do Golfe deve ser inferior ao da comida. Ao não taxar os salários, as pessoas não terão necessidade de fugir ao fisco. A criação de um tecto salarial pode encaixar-se também nesta proposta, diversas teorias actuais apontam para algo entre 10 a 25 vezes o salário minimo.

Área programática: Política económica e coesão territorial
Nacionalizações
Nacionalizar as empresas que lidam com bens de primeira necessidade: Água, Luz, Telecomunicações entre outros sectores. Todas as industrias/sectores que lidarem com bens ou serviços de interesse publico deverão ser nacionalizadas, caso contrário assistir-se-á ao empobrecimento das populações devido à ganancia daqueles que querem mais o lucro do que o serviço publico e o bem-estar colectivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *