Ernesto Possolo

Área programática: Cultura
Taxa de IVA 23% instrumentos musicais com fins educativos.
Facilitar o acesso e promover a Área programática: Cultura e nomeadamente, a educação musical é um pilar básico para o desenvolvimento e a formação individual e colectiva. Baixar a taxa de IVA para 6% no custo dos instrumentos musicais seria uma medida acertada para democratizar o acesso à educação musical. Fomentar e apoiar a investigação e produção nacional de instrumentos musicais, bem como nas áreas técnicas de restauro dos mesmos.

Área programática: Ambiente, agriÁrea programática: Cultura, florestas e mar
Erosão costeira e destruição de paisagens e patrimonios naturais, Área programática: Culturais, publicos, colectivos e individuais.
A erosão costeira em Portugal está a por em risco a integridade física do território nacional bem como bens públicos e privados. A erosão costeira tem como principais causas: os efeitos das alterações climáticas e a geomorfologia da costa portuguesa, mas paralelamente potenciados pelos efeitos da construção a montante nos rios de barragens e outras represas, bem como a extracção de inertes, ambas reduzem drasticamente o fluxo de sedimentos que alimentam as praias e os cordões de protecção dunares. Os custos de dragagem bem como, os estudo para corrigir estas más praticas e constrangimentos técnicos, a monitorização (projecto SIARL) e outras intervenções necessárias, devem ser financiados pelas entidades causadoras destes problemas. Paralelamente a estes problemas, a titulo de exemplo os casos da foz do Tua e do Baixo Sabor, que para além do crime ambiental, p~^or em risco património Área programática: Cultural e paisagistico, são do ponto vista económico e de sustentabilidade, obsoletos.

Área programática: Ambiente, agriÁrea programática: Cultura, florestas e mar
Eficiência energética, hídrica e promoção da auto-suficiência alimentar das cidades.
As cidades em Portugal não estão a ser bem geridas nestas áreas, as politicas publicas tem sido mais propaganda do que concretizadas. A exploração dos recursos naturais estão muito abaixo das potencialidades. (ex: a cidade de Lisboa. lavagem de ruas e rega de jardins com agua da rede; os telhados podem ser utilizados para instalação de sistemas eficientes de energia e hídricos; os terraços e espaço verdes podem ser utilizados para produção de hortícolas, aromáticas, árvores de fruto…) As soluções passam por educação das populações urbanas, incentivos fiscais e de apoio à investigação e produção nacional de meios técnicos e de tecnologias adequadas para o efeito.

Notas: nas áreas politicas, falta Desporto, que também é um pilar básico para o desenvolvimento e a formação individual e colectiva, ex; Baixar a taxa de IVA para 6% no custo dos equipamentos desportivos, uso escolar, paraolimpicos…;Fomentar e apoiar a investigação e produção nacional de equipamentos desportivos, construção naval de recreio… Outras áreas: a dos transportes (ambiente, mobilidade, acessibilidade e da coesão), quero deixar aqui o meu manifesto e solidariedade com as populações dos concelhos de Coimbra, Miranda do Corvo e Lousã relativamente à vergonhosa situação da linha do ramal da Lousã, que se arrasta à quase uma década e que ninguém quer resolver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *