Nuno Miguel Brás Rolo

Área programática: Política Externa, Europa e Defesa
Desacreditação das Forças Armadas
Redefinir aquilo que são as missões das Forças Armadas, não descurando o seu atual papel de defesa do País e dos compromissos externos aos quais estamos obrigados, mas reforçando o seu papel no apoio às populações. Exemplos: colocar os meios da Engenharia na execução de algumas obras públicas, colocar médicos e hospitais militares em direto apoio aos hospitais civis para evitar sobrecargas, entre outras ideias que me fervilham. Desta forma tornamos o gasto que o estado tem com as Forças Armadas mais justificável e visivel ao comum do cidadão.

Área programática: Justiça, Estado e Administração Pública
Adjudicação de contratos pelo Estado
Os contratos adjudicados deveriam ter algumas alíneas de salvaguarda. Coisas simples como: derrapagem do orçamento e/ou de tempo da inteira responsabilidade da empresa contratada, sendo até previstas indmenizações ao estado em caso de não cumprimento. O racional disto é simples, se eu escolho uma determinada empresa para me fazer uma obra em casa e me dizem que tem um custo de X e demora um tempo Y, garantidamente que vai ter de se justificar muito bem para que quer mais um valor Z, ou porquê que afinal a obra vai demorar mais uns dias. A empresa deve ser penalizada por ter feito uma má gestão/avaliação da obra.

Área programática: Saúde
Falta de médicos no SNS
Um bocado à semelhança do que é feito nas Forças Armadas, os médicos recém formados devem ficar à disposição do Ministério da Saúde, que deverá ter a responsabilidade de os colocar/distribuir pelos vários locais onde existam faltam de médicos. Este tempo de disponibilidade seria de 2 anos, findos os quais poderiam optar por continuar no SNS ou passar para o privado, mas nunca em ambos simultaneamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *