Alfredo Simões

Área programática: Trabalho, proteção e segurança social
Desemprego
A falta de trabalho é uma consequência do aproveitamento das empresas para implementar uma política precária de recursos humanos. Existe neste momento uma multidão de desempregados disponíveis para trabalhar. Como a oferta é maior que a procura os patrões pagam mal e não respeitam as pessoas. Ainda recebem incentivos do IEFP, pagos pelos contribuintes para empregar de modo precário. Adicionalmente a maioria das pessoas prefere um emprego com um ordenado base, vendendo a alma em vez de lutar e investir numa alternativa dignificante. É necessário tomar medidas que impeçam: a exploração dos empregados; a utilização do dinheiro dos contribuintes como incentivo de emprego (é uma transferência de capital que o IEFP faz do Estado para o capitalismo); falta de formação em gestão para os pequenos empresários; incentivos ao empreendedorismo.

Área programática: Política económica e coesão territorial
O abandono das aldeias
É preciso criar estruturas locais. Só existem recursos onde os grandes monopólios conseguem gerar lucros facilmente. As comunicações nas aldeias são uma desgraça, não existem locais onde comprar comida ou onde tratar uma emergência de saúde. É preciso descentralizar e dar vida à história das pequenas localidades.

Área programática: Trabalho, proteção e segurança social
Criação de emprego
É necessário tomar medidas que impeçam: a exploração dos empregados; a utilização do dinheiro dos contribuintes como incentivo de emprego (é uma transferência de capital que o IEFP faz do Estado para o capitalismo); falta de formação em gestão para os pequenos empresários; incentivos ao empreendedorismo. Os patrões não vão criar empregos. Eles querem a maximização do lucro e cada vez mais aderem a processos automatizados. O ser humano em muitos casos até se torna um estorvo no processo de automatização. A solução é criarmos condições ao surgimento de pequenos e médios empreendimentos que faça concorrência aos monopólios. É preciso educar os pequenos e ajudá-los a pensar em grande.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *